Às vezes, a compra de um filhotinho pode ser feita por impulso, sem uma consideração prévia sobre as responsabilidades advindas da compra. Comprar um cãozinho não é como comprar um carro e os futuros proprietários devem se fazer algumas perguntas antes de adquirir o novo membro da família!

1. Por que queremos o filhote?
Estou comprando só porque as crianças querem ou eu também quero? Crianças não podem ser responsabilizadas sozinhas pelo cuidado com um filhote: a supervisão de um adulto é sempre necessária.

2. Temos condição financeira para pagar os custos de vacina, vermífugo, alimentação, contas de emergências veterinárias, coleiras, banhos?
É necessário verificar se o novo amigo cabe no seu orçamento, porque não é só comprar e pronto. Você vai ter que mantê-lo saudável, bem alimentado e feliz.

3. O que espero do meu filhote?
Você quer um cão para companhia em casa? Para correr ou caminhar com você? Um protetor? Você pretende levá-lo a competir em exposições? Participar de esportes caninos?

Pode ter certeza que existe alguma raça específica para o que você deseja. Algumas podem ficar horas deitadas aos seus pés enquanto você está no computador, outras podem caminhar longas horas ao seu lado, outras ainda podem brincar incansavelmente com as crianças…

Um criador bem informado (e honesto) pode dizer se a raça que ele cria é apropriada ao seu desejo. Algumas feiras caninas possuem pessoal especializado para ajudar você nessa escolha da raça. Independentemente de tudo, leia e se informe antes da escolha.

4. Temos um local para que ele se exercite?
Algumas raças precisam de mais espaço que outras, e é bom que você adquira uma raça que se adapte bem ao seu espaço. Falta de exercício pode trazer problemas de saúde e temperamento.  Será que você pode proporcionar a quantidade de exercício necessária à raça que você escolheu?

5. Com ou sem pedigree?
A não ser que você deseje adotar um animal castrado de alguma entidade de proteção (essa também pode ser uma boa opção), o pedigree é essencial. Todo cão de raça pura tem pedigree! O pedigree é a única garantia de que o animal adquirido seja puro e atenda às suas expectativas quanto ao temperamento, tamanho e função de determinada raça.

6. Macho ou fêmea?
Os dois podem ser ótima opção, dependendo do que se espera deles. Os machos de algumas raças podem ter mais tendência “a marcar território” levantando a perna para fazer xixi nos pés de cadeiras ou mesas. Essas raças vão exigir mais atenção quando adolescentes (em torno dos 6 a 8 meses de idade) para que não adquiram esse hábito. Ou talvez seja melhor adquirir uma fêmea. Outra boa opção é a castração precoce (antes dos seis meses). (Abordaremos esse tema numa próxima edição).

7. Onde ele vai viver?
Alguns donos gostam de seu cãozinho dentro de casa, em cima do sofá, às vezes até dormindo em suas camas. Outros querem um cão apenas para morar fora de casa e tomar conta dela. Independente de onde ele habite, vai necessitar de amor e atenção do dono para crescer saudável e com um bom temperamento.

8. Quantas horas por dia ele vai ficar sozinho em casa?
Filhotes de algumas raças se acostumam mais facilmente que os de outras a ficar longas horas sozinhos, aguardando o dono chegar. É necessário que quando chegue, o dono dedique ao cãozinho uma parte do seu tempo, para que ele se sinta amado e possa ser feliz. Além disso, filhotes novinhos necessitam de atenção e supervisão constantes, para aprender os bons hábitos de higiene e comportamento. Ele deve ser repreendido na hora quando errar e recompensado na hora quando acertar para que aprenda rápido e se sinta seguro. Por todas essas questões, informe-se e prepare-se antes, para que a chegada desse novo membro da família seja repleta de alegria não só na primeira semana, mas pelos próximos 10 anos em que ele vai fazer parte dela!
, 16/02/2017

Entre em contato